Asclepio, Vol 68, No 1 (2016)

A introdução da penicilina nos Hospitais da Universidade de Coimbra, Portugal (1944-1946)


https://doi.org/10.3989/asclepio.2016.16

Victoria Bell
University of Coimbra, CEIS20-Faculty of Pharmacy, Portugal

Ana Leonor Pereira
University of Coimbra, CEIS20-Faculty of Arts and Humanities (Dep. History), Portugal

João Rui Pita
University of Coimbra, CEIS20-Faculty of Pharmacy, Portugal

Resumen


A importação regular de penicilina para Portugal iniciou-se em Setembro de 1944 através da Cruz Vermelha Portuguesa. Até Junho de 1945 a importação e distribuição do medicamento foram controladas por esta instituição humanitária mas a partir desta data, com o aumento da produção mundial, a penicilina começou a ser importada por intermédio da indústria farmacêutica. No Arquivo da Universidade de Coimbra consultamos papeletas (processos individuais) de doentes internados nos Hospitais da Universidade de Coimbra desde Setembro de 1944 até Agosto de 1946. A investigação realizada permitiu-nos recolher informações sobre a introdução da penicilina e sobre os primeiros tratamentos efetuados com o medicamento nestes hospitais. Com base nos dados recolhidos pretendemos, pelo presente artigo, mostrar como foi feita a receção da penicilina num hospital central de grande dimensão, um dos principais hospitais portugueses, saber a frequência com que era prescrita, as patologias mais comuns em que era empregue, as doses administradas, a posologia e o tempo de tratamento assim como os clínicos responsáveis pela sua prescrição.

Palabras clave


Penicilina; Hospitais da Universidade de Coimbra; Terapêutica; Medicamento; Século XX (1944-1946)

Texto completo:


HTML PDF XML

Referencias


Álvaro, C. G. M. (2011), "Ternura e sensibilidade : os primeiros anos do Ninho dos Pequenitos de Coimbra (1930-1939)", Tese de Mestrado. Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Anónimo (1944), "Penicilina em Portugal", Jornal do Médico, 4 (93), p. 709.

Anónimo (1944), "Penicilina: indicações, contra-indicações, modo de administração e posologia da penicilina", Notícias Farmacêuticas, XI (3-4), pp. 160–164.

Anónimo (1945), "Cessaram as restrições na venda da Penicilina", Eco Farmacêutico, 7 (91), p. 19.

Anónimo (1945), "Dois assuntos", Eco Farmacêutico, 7 (58), p. 1.

Anónimo (1945), "Penicilina", Eco Farmacêutico, 7 (59), p. 8.

Anónimo (1945), "Penicillin: A Wartime Accomplishment", Chemical & Engineering News, 23 (24), pp. 2310–2316. http://dx.doi.org/10.1021/cen-v023n024.p2310

Anónimo (1945), "Regulamento da venda da Penicilina", Eco Farmacêutico, 7 (58), p. 8.

Anónimo (1949), "João Avelar Maia de Loureiro [biobibliografia] ", Gazeta Médica Portuguesa, 2 (4), pp. 959-964.

Azevedo, J. Fraga de (1976), "A importante escola prática dos Hospitais Civis de Lisboa. A personalidade do Prof. Fernando Fonseca" O Médico. Nova série, 78 (1270), pp. 21-23.

Barata, P. (1945), "Penicilina - Revista geral", Jornal do Médico, VI (132), pp. 313–321, p. 316.

Bell, V. (2015), "Introdução dos antibióticos em Portugal: ciência, técnica e sociedade (anos 40 a 60 do século XX). Estudo de caso da penicilina", Tese de Doutoramento. Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra.

Bell, V.; Pita, J. R. e Pereira, A. L. (2011), "A importância do Brasil no fornecimento das primeiras doses de penicilina para Portugal (1944)". En: Fiolhais, C.; Simões, C.; Martins, D. (eds.), Congresso Luso-Brasileiro de História das Ciências. Coimbra, pp. 878–891.

Bessa, José dos Santos (1986), "A obra médico-social do Doutor Bissaya-Barreto", Revista da Fundação Bissaya-Barreto, 1 (1), pp. 9-13.

Brown, Kevin (2013), Penicillin man. Alexander Fleming and the antibiotic revolution. Gloucestershire, The History Press.

Bud, Robert (2007), Penicillin Triumph and Tragedy. Oxford University Press. PMCid:PMC1819510

Capocci, M. (2011), "'A Chain is gonna come'. Building a penicillin production plant in post-war Italy", Dynamis, 31 (2), pp. 343-362. http://dx.doi.org/10.4321/S0211-95362011000200005 PMid:22332463

Carvalho, R. de (1944), "Penicilina: seu estudo entre 1929 e 1943", Jornal dos Farmacêuticos, III (31 a 32), pp. 95-129, p. 108-111.

Clímaco, R. (1946), "Revisão clínica das psicoses infecciosas e pós infecciosas", A Medicina Contemporânea, 64 (6), pp. 215-253.

Comissão Reguladora dos Produtos Químicos e Farmacêuticos (1956), Medicamentos especializada e produtos químicos medicinais - Volume II. Lisboa, Gráfica Boa Nova Ld.ª, pp. 188-189.

Cónim, C. N. P. da S. (1999), Geografia do envelhecimento da população portuguesa - Aspetos Sociodemográficos 1970- 2021, Departamento de Prospetiva e Planeamento. Lisboa, SCARPA, p. 11.

Couto, Alberto (1983), "Um vianense insigne: o Doutor Ernesto Galeão Roma", Cadernos Vianenses, 7, pp. 22-26.

Florey, M. E. (1944), "Utilização terapêutica da penicilina", Clínica, Higiene e Hidrologia, X (4), pp. 106-112, p. 107.

González Bueno, A.; Rodríguez Nozal, R. e Teijón, C. J. P. (2012), "La penicilina en Espanã: difusión, propriedad industrial y negocio, en clave autárquica (1944-1959)", Estudos do Século XX, (12), pp. 271-287. http://dx.doi.org/10.14195/1647-8622_12_15

González, J., Orero, A. (2007), "Historia La penicilina llega a Espa-a: 10 de marzo de 1944, una fecha histórica", Revista Espa-ola Quimioterapia, 20 (4), pp. 446-450.

Hospitais da Universidade de Coimbra (1947), "Movimento clínico do ano de 1941 - Estatística geral das doenças", Boletim dos Hospitais da Universidade de Coimbra, X, pp. 24-37.

Keefer, C. S. (1946), "Formas farmacológicas, doses e indicações da penicilina", Jornal do Médico, VII (161), pp. 394-397.

Leone, José (1978), "No ano do centenário do Prof. Francisco Gentil (A sua passagem pelos Hospitais Civis de Lisboa) ", Boletim Clínico dos Hospitais Civis de Lisboa, 38 (1-4), pp. 257-266.

Lesch, J. E. (2007), The First Miracle Drugs: How the Sulfa Drugs Transformed Medicine. New York, Oxford Univ Press, p. 210.

Ministère de la Santé Publique (1947), Thérapeutique par la Pénicilline, Primiere ed. Paris, Masson et Cie, Éditeurs.

Ministério da Economia (1945), "Venda de penicilina", Jornal Do Médico, 6 (147), p. 765.

Pita, João Rui (1996), Farmácia, medicina e saúde pública em Portugal (1772-1836). Coimbra, Minerva, pp. 270-284.

Queijo, J. (2010), Breakthough - How the 10 greatest discoveries in medicine saved millions and changed our view of the world. New Jersey, Pearson Education, Inc, p. 142.

Rodriguez Nozal, Raul (2015), "El despacho de penicilina en la Espa-a: de las restricciones y el estraperlo", Revista Panacea - Humanidades, Ciencia y Sanidad, 1 (Janeiro), pp. 14-15.

Rodriguez Oca-a, Esteban (1976), "Archivos administrativos contemporâneos" Dynamis, 9 (Actas del III Simposio de la Sociedad Espa-ola de Historia de la Medicina), pp. 79-90.

Romero de Pablos, A. (2011), "Regulation and the circulation of knowledge: penicillin patents in Spain", Dynamis, 31(2), pp. 363-383. http://dx.doi.org/10.4321/S0211-95362011000200006 PMid:22332464

Rosas, Fernando et al. (1989), Portugal na Segunda Guerra Mundial: contributos para uma reavaliação. Lisboa, Dom Quixote. PMCid:PMC334919

Santesmases, M. J. (2010), "Distributing Penicillin: the clinic, the hero and industrial production in Spain, 1943-1952". En: Quirke, V.; Slinn, J. (eds.) Perspectives on Twentieth-Century Pharmaceuticals. Oxford, Peter Lang, pp. 91-118.

Santesmases, M. J. (2011), "Screening antibiotics: industrial research by CEPA and Merck in the 1950s", Dynamis, 31 (2), pp. 407-427. http://dx.doi.org/10.4321/S0211-95362011000200008

Santos, J. C. dos (1954), "O aviso prévio do Prof. Cid dos Santos", O Médico, 5 (129), pp. 112–118, p. 116.

Serviço de Anestesiologia dos Hospitais da Universidade de Coimbra (2008), A Anestesia nos séculos XIX e XX e os Hospitais da Universidade de Coimbra, 1a edição. Serviço de Anestesiologia dos Hospitais da Universidade de Coimbra (ed.), Coimbra, Impressões e Soluções, p. 32-33.

Sousa, Jorge Pais (1999), Bissaya Barreto: Ordem e Progresso. Coimbra, Minerva.

Torgal, Luís Reis (2009), Estados Novos, Estado Novo. 2 Vols. Coimbra, Imprensa da Universidade, p. 538. http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0381-0

Torgal, Luís Reis; Paulo, Heloísa (coords.) (2008), Estados autoritários e totalitários e suas representações. Coimbra, Imprensa da Universidade de Coimbra.

Waller, J. (2004), Fabulous science: fact and fiction in the history of scientific discovery. Oxford University Press, p. 247.




Copyright (c) 2016 Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC)

Licencia de Creative Commons
Esta obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.


Contacte con la revista asclepio.cchs@cchs.csic.es

Soporte técnico soporte.tecnico.revistas@csic.es