¡Llamen a las normalistas! La formación de los profesionales de la salud (educadores sanitarios y enfermeras en salud pública) en Brasil, 1920-1930

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.3989/asclepio.2023.24

Palabras clave:

Profesoras de enseñanza primaria, Profesiones de salud, Enfermeras, Características socioculturales, Género, Brasil

Resumen


El artículo se explaya sobre el proceso de reclutamiento de profesoras de enseñanza primaria, popularmente llamadas normalistas, en la evolución de la formación en Brasil de las profesiones de salud (educadoras, visitadoras sanitarias y enfermeras). Las características socioculturales de las normalistas las convirtieron en el tipo ideal de mujeres para servir a las nuevas profesiones de salud. Además de la similitud de género (profesiones femeninas), las profesiones docentes primarias y de la salud compartían saberes y prácticas de matriz biomédica e higienista y un mismo campo profesional (escuelas, centros de salud y hogares), lo que determinó afinidades entre las políticas públicas de educación y de salud.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Agostoni, Claudia. (2007), “Las mensajeras de la salud. Enfermeras visitadoras en la ciudad de México durante la década de los 1920”, Estudios de historia moderna y contemporánea de México, (33), pp. 89-120. Recuperado en 22 de septiembre de 2023, de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0185-26202007000100089&lng=es&tlng=es

Alanís, Mercedes (2015), “Más que curar, prevenir: surgimiento y primera etapa de los Centros de Higiene Infantil en la Ciudad de México, 1922-1932”, História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 22(2), pp. 391-409.

Barreira, Leda de Alencar; Baptista, Suely de Souza (2002), “A (re) configuração do campo da enfermagem durante o estado novo (1937-1945)”, Revista Brasileira De Enfermagem, 55(2), pp. 205-216.

Benchimol, Jaime Larry (1990), Pereira Passos: um Haussmann tropical, Río de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esporte.

Besse, Susan K. (1999), Modernizando a desigualdade. Reestruturação da ideologia de gênero no Brasil, 1914-1940, São Paulo, Edusp.

Bonaventura, Isabella (2020), Profissão farmacêutica em São Paulo; prática, ensino e gênero, 1895-1917, Río de Janeiro, Editora Fiocruz.

Bruschini, Maria Cristina Aranha (1978), “Mulher e trabalho: engenheiras, enfermeiras e professoras”, Cadernos de Pesquisa, (27), pp. 03-18. Recuperado em 22 de setembro de 2023, de http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15741978000400001&lng=pt&tlng=pt

Camara, Sonia (2021), “Lições para o professorado”: o curso Educação Sanitária (Higiene e Medicina Preventiva) e a formação da professora na cidade do Rio de Janeiro, 1929-1930, História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 28(3), pp. 775-794.

Campos, André Luiz Vieira de (2006), Políticas internacionais de saúde na Era Vargas: o serviço Especial de Saúde Pública, 1942-1960, Río de Janeiro, Editora Fiocruz.

Carvalho, Maria Chagas de (1998), Molde nacional e fôrma cívica: higiene, moram e trabalho no projeto da Associação Brasileira de Educação (1924-1931), Bragança Paulista, Editora da Universidade São Francisco.

Chalhoub, Sidney (1996), Cidade Febril: cortiços e epidemias na Corte Imperial, São Paulo, Companhia das Letras.

Faria, Lina (2006), “Educadoras sanitárias e enfermeiras de saúde Pública: identidades profissionais em construção,” Cadernos Pagu, (27), pp. 173-212.

Farley, Jonh (2004), To cast out disease: a history of the International Health Division of the Rockefeller Foundation (1915-1951), Oxford, Oxford University Press.

Ferreira, Jorge; Delgado, Lucilia de Almeida Neves (org.) (2003), O Brasil Republicano: O tempo do nacional -estatismo- início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo, Río de Janeiro, Civilização Brasileira.

Ferreira, Luiz Otávio, “As guardiãs da saúde: representações e características socioculturais de enfermeiras domésticas do Rio de Janeiro, 1880-1910”, Revista Mundos do Trabalho, v. 12, pp. 1-17, 2020.

Ferreira, Luiz Otávio Ferreira; Salles, Renata Batista Brotto (2019), “A origem social da enfermeira padrão: o recrutamento e a imagem pública da enfermeira no Brasil, 1920-1960”, Nuevo Mundo Mundos Nuevos [En ligne], Questions du temps présent, mis en ligne le 08 octobre 2019.

Ferreira, Luiz Otávio; Azevedo, Nara; Guedes, Moema y Cortes, Bianca Antunes (2008), “Institucionalização das ciências, sistema de gênero e produção científica no Brasil (1939-1969)”, História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 15, pp. 43-71.

Gazeta de Notícias (25/02/1930), ”Escola de Enfermeiras’, pp. 6.

Gomes, Ângela de Castro; Hansen, Patrícia Santos [org] (2016), Intelectuais; práticas culturais e ação política, Río de Janeiro, Civilização Brasileira.

Ligeiro, Lorena Raeli; Baptista, Suely de Souza (1990), “A exclusão de alunas de enfermagem da Escola Anna Nery (1930-1938)”, Revista de Enfermagem da Escola Anna Nery, 3(1), pp. 24-42.

Lopes, Sonia de Castro (2009), “Formação de professores no Rio de Janeiro durante o Estado Novo”, Cadernos de Pesquisa, 39(137), pp. 597-619. Retrieved September 22, 2023, from http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742009000200013&lng=en&tlng=pt

Lopes, Sonia de Castro e Martinez, Silvia Alicia (2012), “A emergência de escolas normais no Rio de Janeiro do século XIX: Escola Normal do Município da Corte e Escola Normal de Campos”, Revista Brasileira de História da Educação, 7(3 [15]), pp. 53-77. Recuperado de https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/article/view/38608,

Menezes, Simone dos Santos; Baptista, Suely de Souza e Barreira, Ieda de Alencar (1998), “O perfil das (os) alunas (os) de enfermagem da Escola Anna Nery: décadas de 20, 30 e 90”. Revista de Enfermagem da Escola. Anna Nery, 2(1), pp. 34-48.

Mott, Maria Lúcia de Barros (2015), “Revendo a história Da Enfermagem Em São Paulo (1890-1920)”, Cadernos Pagu, nº 13 maio, pp. 327-355. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635331

Moya, Maricela Gonzalez e Campos, María Soledad Zárate (2018), “Profesionales, modernas y carismáticas: enfermeras y visitadoras sociales en la construcción del Estado Asistencial en Chile, 1900-1930”. Tempo, 24(2), pp. 369-387.

Nakamae, Djair (1975), “Subsidios para a caracterização do estudante de enfermagem nas escolas do estado de São Paulo”. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 9(2), pp. 347-392.

Oguisso, Tizuko (1976), “A legislação do ensino de graduação em enfermagem”, Revista da Escola de Enfermagem da USP, 10(2), pp. 202-218.

Oliveira, Lúcia Lippi (1990), A questão nacional na Primeira República, São Paulo, Brasiliense.

Pastore, José (1971), O ensino superior em São Paulo: aspectos quantitativos e qualificativos de sua expansão, São Paulo, Editora Nacional, Instituto de Pesquisa Econômica.

Pinheiro, Maria Rosa Sousa (1951), “Problemas de enfermagem no Brasil: do ponto de vista da enfermeira”, Congresso da Associação Paulista de Medicina, 3, pp. 278-98.

Pratt, Mary Louise (1999), Os olhos do Império: relatos de viagem e transculturação, Bauru, Edusc.

Renovato, Rogério Dias e Bagnato, Maria Helena Salgado (2010),“O serviço especial de saúde pública e suas ações de educação sanitária nas escolas primárias (1942-1960)”, Educar em Revista, (spe2), pp. 277-290.

Rocha, Heloisa Helena Pimenta (2003a), “Educação escolar e higienização da infância”, Cadernos CEDES, 23(59), pp. 39-56.

Rocha, Heloísa Helena Pimenta (2003b). A higienização dos costumes: educação escolar e saúde no projeto do Instituto de Hygiene de São Paulo (1918-1925), São Paulo, Mercado das Letras, Fapesp.

Rocha, Heloísa Helena Pimenta (2017), Regras de bem viver para todos: A “Biblioteca Popular de Hygiene” do Dr. Sebastião Barroso, Campinas, Mercado de Letras.

Sanglard, Gisele (2008), Entre os salões e o laboratório: Guilherme Guinle, a saúde e a ciência no Río de Janeiro, 1920-1940, Río de Janeiro, Editora Fiocruz.

Santos, Luiz Antônio de Castro (1993), “A reforma sanitária pelo alto: o pioneirismo paulista no início do século XX”, Dados, Revista de Ciências Sociais, 36(3), pp. 361-392.

Santos, Luiz Antônio de Castro; Faria, Lina (2009), Saúde & História, São Paulo, Editora Hucitec.

Sauthier, Jussara (1996), A missão de enfermeiras norte-americanas na capital da república: 1921-1931, Río de Janeiro, UFRJ, 1996. Tese Doutorado, Universidade Federal do Río de Janeiro, Escola de Enfermagem Anna Nery.

Sauthier, Jussara; Barreira, Ieda de Alencar (1999), As enfermeiras norte-americanas e o ensino da enfermagem na capital do Brasil, Río de Janeiro, Editora Escola Anna Nery/UFRJ.

Schwartzman, Simon; Bomeny, Helena Maria Bousquet; Costa, Vanda Maria Ribeiro (2000), Tempos de Capanema, Río de Janeiro, Paz e Terra, Editora FGV.

Silva, Tânia Maria de Almeida; Ferreira, Luiz Otávio (2011), “A higienização das parteiras curiosas: o Serviço Especial de Saúde Pública e a assistência materno-infantil (1940-1960)”, História, Ciências, Saúde-Manguinhos,18(1), pp. 95-112

Vidal, Diana Gonçalves (2001), O exercício disciplinado do olhar: livros, leituras e práticas de formação docente no Instituto de Educação do Distrito Federal (1932-1937), Bragança Paulista, Editora da Universidade São Francisco.

Viviani, Luciana Maria (2007), A biologia necessária: formação de professoras e escola normal, Belo Horizonte, Argvmentvm, São Paulo, Fapesp.

Viviani, Luciana Maria (2015), “A Biologia Educacional: exercitação e propostas inovadoras em um periódico educacional paulista (1938-1941)”, Revista Brasileira de História da Educação, v. 15, n. ja/abr, pp. 269-300.

Publicado

2023-12-11

Cómo citar

Otávio Ferreira, L. (2023). ¡Llamen a las normalistas! La formación de los profesionales de la salud (educadores sanitarios y enfermeras en salud pública) en Brasil, 1920-1930. Asclepio, 75(2), e24. https://doi.org/10.3989/asclepio.2023.24

Número

Sección

Dossier

Datos de los fondos

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Números de la subvención 402828/2021-6