De normalistas a naturalistas: la especialización de las mujeres en salud pública en Brasil (1920-1960)

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.3989/asclepio.2023.23

Palabras clave:

Salud Pública, Mujeres, Cursos, Especialización en salud, Instituto Oswaldo Cruz

Resumen


El artículo tiene como objetivo demostrar como la institucionalización de la especialización en salud pública en Brasil abrió oportunidades para la capacitación y la profesionalización de mujeres a partir de los años 1920. El análisis busca avanzar en la historiografía en lo que toca al desempeño y especialización de las mujeres en el campo de la salud pública en un periodo, hasta entonces, poco estudiado, sobrepasando la Primera República brasileña (1889-1930), hasta 1960. La delimitación del marco temporal se realizó en función de las fuentes, es decir, la documentación de los cursos del Instituto Oswaldo Cruz y los formularios de registro e inscripción de las alumnas, que se encuentran bajo la tutela de la Casa de Oswaldo Cruz, Fundación Oswaldo Cruz.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Azevedo, Nara; Ferreira, Luiz Otávio (2012), “Os dilemas de uma tradição científica: ensino superior, ciência e saúde pública no Instituto Oswaldo Cruz, 1908-1953”, História Ciência e Saúde-Manguinhos, 19(2), pp. 581-610.

Azevedo, Nara; Ferreira, Luiz Otávio; Cortes, Bianca (2008), “Cidade, família e educação feminina nas primeiras décadas da República”. En: Almeida, Marta y Vergara, Moema (orgs.), Ciência, história e historiografia, São Paulo, Via Lettera; Rio de Janeiro, MAST, pp. 161-174.

Backes, Vania (1999), “O legado histórico do modelo Nightingale: seu estilo de pensamento e sua práxis”, Revista Brasileira de Enfermagem, 52(2), pp. 251-264.

Barreto, João de Barros (1938), “Serviços Federais de Saúde no Brasil”, Boletin de la Oficina Sanitaria Panamericana, 6, pp. 479-494.

Barreto, João de Barros (1943), “A saúde pública no Brasil”, Boletin de la Oficina Sanitaria Pananamericana, nº 11, Ano 22, p. 961-076.

Barreto, João de Barros (1945), “A saúde pública no Brasil”, Boletin de la Oficina Sanitaria Panamericana, 3, pp. 193-210.

Barreto, João de Barros (1946), “A saúde pública no Brasil”, Boletin de la Oficina Sanitaria Panamericana, 6, pp. 481-511.

Batista, Ricardo; Ferreira, Luiz Otávio (2021), “Como se tornar um bolsista da Fundação Rockefeller: trajetórias de médicos do Instituto Oswaldo Cruz em formação na Universidade Johns Hopkins (1919-1924)”, Topoi, 22(47), pp. 450-473.

Beltrão, Kaizô Iwakami; Alvez, José Diniz (2009), “A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX”, Cadernos de Pesquisa, 39(136), pp. 125-156.

Beltrão, Kaizô Iwakami; Novellino, Maria Salet (2002), Alfabetização por raça e sexo no Brasil: evolução no período 1940-2000. Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística/ Escola Nacional de Ciências Estatísticas.

Besse, Susan (1999), Modernizando a desigualdade: reestruturação da ideologia de gênero no Brasil (1914-1940), São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo.

Brasil (1942), Decreto n.º 9.388 de 13 de maio de 1942. Aprova regulamento dos cursos de aperfeiçoamento e especialização do Departamento Nacional de Saúde, [on line], disponible en: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1940-1949/decreto-9388-13-maio-1942-468435-publicacaooriginal-1-pe.html, [consultado el 20/05/2022].

Britto, Nara (1995), Oswaldo Cruz: a construção de um mito na ciência brasileira, Rio de Janeiro, Editora Fiocruz.

Bruschini, Maria Cristina (1979), “A sexualização das ocupações: o caso brasileiro”, Cadernos de Pesquisa, 28, pp. 5-20.

Campos, Cristina; Marinho, Maria Gabriela S. (2015), “A Fundação Rockefeller e a institucionalização da higiene em São Paulo. Da cadeira ao Instituto de Higiene (1918-1922)”. En: Marinho, Maria Gabriela; Mota, André; Campos Cristina (orgs.), Racionalidades em Disputa. Intervenções da Fundação Rockefeller na Ciência, Medicina e Práticas Médicas do Brasil e América Latina, São Paulo, Universidade de São Paulo, Universidade Federal do ABC, CD.G Casa de Soluções e Editora, pp. 11-34.

Castro Santos, Luiz Antônio de; Faria, Lina Rodrigues de (2004), “A cooperação internacional e a enfermagem de saúde pública no Rio de Janeiro e São Paulo”, Horizontes, Bragança Paulista, 22(2), pp. 123-150. Disponible en: https://lyceumonline.usf.edu.br/webp/portalUSF/edusf/publicacoes/RevistaHorizontes/Volume_04/uploadAddress/hor-3%5B6264%5D.pdf, [consultado el 08/09/2023].

Castro Santos, Luiz Antônio de; Faria, Lina Rodrigues de (2006), “O ensino de saúde pública no Brasil: os primeiros tempos no Rio de Janeiro”, Trabalho, Educação e Saúde, 4(2), pp. 291-324

Correia, Luciana (2011). “Instituto de Higiene (1918-1929) no estado de São Paulo. A atuação de Geraldo Horácio de Paula Souza e Mário da Costa Galvão”, Cadernos de História da Ciência, Instituto Butantan, 7(1), pp. 71-85.

Cueto, Marcos; Palmer, Steven (2016), Medicina e Saúde Pública na América Latina: uma história. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz.

D´Almeida; José; d´Almeida, Cláudia (2021), “Lejeune de Oliveira, protagonista da Hidrobiologia no Instituto Oswaldo Cruz (Manguinhos)”, História da Ciência e Ensino. Construindo Interfaces, 23, pp. 42-59.

Demartini, Zeila de Brito; Antunes, Fátima (1993), “Magistério primário: profissão feminina, carreira masculina”, Cadernos de Pesquisa, 86, pp. 5-14. Disponible en: https://publicacoes.fcc.org.br/cp/article/view/934, [consultado el 08/09/2023].

Faria, Lina (1995). “Os primeiros anos da reforma sanitária no Brasil e a atuação da Fundação Rockefeller (1915-1920)”, Physis, Revista de Saúde Coletiva, Vol.1, nº 1, p.109-129.

Faria, Lina (2002), “A Fundação Rockefeller e os serviços de saúde em São Paulo (1920-1930): perspectivas históricas”, História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 9(3), pp. 561-90.

Faria, Lina (2006), “Educadoras Sanitárias e Enfermeiras de Saúde Pública: identidades profissionais em construção”, Cadernos Pagu, 27, pp. 173-212.

Faria, Lina (2007), Saúde e Política: a Fundação Rockefeller e seus parceiros em São Paulo, Rio de Janeiro, Editora Fiocruz.

Fee, Elizabeth (1987), Disease and Discovery: a History of the Johns Hopkins School of Hygiene and Public Health, 1916-1939. Baltimore, The Johns Hopkins University Press.

Fernandes, Bruno (2016), “A construção da memória ambiental e a consolidação da ecologia no Brasil (1944-1976)”, Tese (Doutor em Ciências), Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, [on line], disponible en: https://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/1938, [consultado el 19/09/2022].

Ferreira, Luiz Otávio; Azevedo, Nara (2019), “Origem social e racial e a formação de enfermeiras profissionais no Brasil (1930-1960)”, Revista da ABPN, 11, Caderno Temático. Raça Negra e Educação 30 anos depois: e agora, do que mais precisamos falar? pp. 231-251. Disponible en: https://abpnrevista.org.br/site/article/view/691, [consultado el 08/09/2023].

Fonseca, Cristina (2000), “Trabalhando em saúde pública pelo interior do Brasil: lembranças de uma geração de sanitaristas (1930-1970)”, Ciência & Saúde Coletiva, 5(2), pp. 393-411.

Fonseca, Cristina (2007), Saúde no governo Vargas (1930-1945): dualidade institucional de um bem público, Rio de Janeiro, Editora Fiocruz.

Franco, Talita; Santos, Elizabeth dos (2010), “Mulheres e cirurgiãs”, Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 37(1), pp. 72-77.

Hahner, June (2003), A emancipação do sexo feminino: a luta pelos direitos da mulher no Brasil (1850-1940), Santa Cruz do Sul, Florianópolis, Ed. Mulheres, EDUNISC.

Haidar, Maria de Lourdes (2008), O ensino secundário no Império brasileiro, São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo.

Hochman, Gilberto (1998), A era do saneamento: as bases da política de saúde pública no Brasil, São Paulo, Hucitec/Anpocs.

Hochman, Gilberto (2005), “Reformas, instituições e políticas de saúde no Brasil (1930-1945)”, Educar, 25, pp. 127-141.

Hochman, Gilberto; Fonseca, Cristina (1999). “O que há de novo? Políticas de saúde pública e previdência, 1937-45”. En: Pandolfi, Dulce. Repensando o Estado Novo, Rio de Janeiro, Ed. Fundação Getúlio Vargas.

Korndörfer, Ana Paula (2013), “An international problem of serious proportions: a cooperação entre a Fundação Rockefeller e o estado do Rio Grande do Sul no combate à ancilostomíase e seus desdobramentos (1919-1929)”, Tese (Doutorado em História), Programa de Pós-Graduação em Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Disponivel en: http://tede.pucrs.br/tde_arquivos/15/TDE-2013-05-14T053823Z-4453/Publico/448009.pdf, [consultado el 10/08/2022].

Korndörfer, Ana Paula (2015). “A Fundação Rockefeller chega ao Brasil: cooperação no combate ao mal da terra (1916-1923)”. En: Marinho, Maria Gabriela S.; Mota, André; Campos, Cristina (orgs.). Racionalidades em Disputa. Intervenções da Fundação Rockefeller na Ciência, Medicina e Práticas Médicas do Brasil e América Latina. São Paulo, USP, Universidade Federal do ABC, CD.G Casa de Soluções e Editora, pp. 53-68.

Korndörfer, Ana Paula (2016), “A atuação da Fundação Rockefeller na formação de quadros em saúde pública através dos Fellowship Cards (Brasil, 1917-1951)”, Revista Brasileira de História da Ciência, 9(1), pp. 148-155.

Korndörfer, Ana Paula (2020), “Uma nova profissão: A Fundação Rockefeller e a formação de profissionais para a saúde pública (primeira metade do século XX)”, Revista Brasileira de História e Ciências Sociais, 12(3), pp. 275-290.

Korndörfer, Ana Paula (2021), “The International Health Division of the Rockefeller Foundation and the training of health professionals in Brazil: the case of Olympio da Fonseca (1920s)”, Asclepio, 73(1), p. 345.

Kruse, Maria Henriqueta (2006), “Enfermagem moderna: a ordem do cuidado”, Revista Brasileira de Enfermagem, 59 (Spe), pp. 403-410.

Lima, Nisia; Britto, Nara (1996), “Salud y nación: propuesta para el saneamiento rural. Um estúdio de la revista Saúde (1918-1919)”. En: Cueto, Marcos (ed.), Salud, cultura y sociedade em América Latina. Nuevas perspectivas históricas. Lima, IEP/ OPAS, pp. 135-158.

Louro, Guacira (2001), “Mulheres na sala de aula”. En: Del Priore, Mary (org.), História das Mulheres no Brasil. São Paulo, Contexto, pp. 443-481.

Marinho, Maria Gabriela S. (2001), Norte-americanos no Brasil: uma história da Fundação Rockefeller na Universidade de São Paulo (1934-1952), Campinas, Autores Associados; São Paulo, Universidade São Francisco.

Marques, Rita de Cássia (2004), “A filantropia científica nos tempos da romanização: a Fundação Rockefeller em Minas Gerais (1916-1928)”, Horizontes, Bragança Paulista, 22(2), pp. 175-189. Disponible en: https://lyceumonline.usf.edu.br/webp/portalUSF/edusf/publicacoes/RevistaHorizontes/Volume_04/uploadAddress/hor-6%5B6266%5D.pdf, [consultado el 08/09/2023].

Matsumoto, Harumi (2018), Filantropia médica e assistência aos pobres: a trajetória da Policlínica de Botafogo, Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde). Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz/Casa de Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro. Disponible en: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/33371, [consultado el 29/08/2022].

Mott, Maria Lucia, (2005), “Gênero, medicina e filantropia: Maria Rennotte e as mulheres na construção da nação”, Cadernos Pagu, 24, pp. 41-67.

Mott, Maria Lucia; Alves, Olga (2006), “Farmacêuticas em São Paulo (1901-1919)”, Boletim do Instituto de Saúde, 38, pp. 24-27. Disponible en: https://periodicos.saude.sp.gov.br/bis/article/view/37514, [consultado el 08/09/2023].

Mott, Maria Lucia; Alves, Olga Sofia Fabergé; Muniz, Maria Aparecida; Martino, Luiz Vicente Souza; Santos, Ana Paula Ferreira; Maestrini, Karla (2008a), “Moças e senhoras dentistas: formação, titulação e mercado de trabalho nas primeiras décadas da República”, História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 15, suplemento, pp. 97-116.

Mott, Maria Lucia; Muniz, Maria Aparecida; Alves, Olga Sofia Fabergé; Maestrini, Karla y Santos, Tais dos. (2008b), “Médicos e médicas em São Paulo e os Livros de Registros do Serviço de Fiscalização do Exercício Profissional (1892-1932)”, Ciência e Saúde Coletiva, 13(3), pp. 853-868.

Paiva, Carlos Henrique Assunção (2021), “João de Barros Barreto: um construtor do debate organizacional em saúde no Brasil”, Ciência & Saúde Coletiva, 26(8), pp. 3245-3254.

Peres, Maria Angélica (2021), “Centenário da Missão Parsons no Brasil (1921-2021)”, Escola Anna Nery, 25(5), pp. 1-2. DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2021-0349

Rago, Elisabeth (2000), “A ruptura do mundo masculino da medicina: médicas brasileiras no século XIX”, Cadernos Pagu, 15, pp. 199-225. Disponible en: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635577/3362, [consultado el 08/09/2023].

Rocha, Heloísa (2005), “A educação sanitária como profissão feminina”, Cadernos Pagu, 24, pp. 69-104.

Sá, Dominichi; Sá, Magali; Palmer, Steven (2017), “Ecologia, cooperação internacional e configuração biogeográfica do Brasil. Pierre Dansereau e o acordo científico Brasil-Canadá nos anos 1940”, Varia História, Belo Horizonte, 33(63), pp. 745-777.

Saffioti, Heleieth (1976), A mulher na sociedade de classes. Mito e realidade. Petropolis, Vozes, p. 384.

Santos, Luiz Antônio de Castro (1985), “O pensamento sanitarista na Primeira República: uma ideologia de construção da nacionalidade”, Dados. Revista de Ciências Sociais, 28(2), pp. 193-210.

Sedrez, Lise (2011), “A Estação Hidrobiológica da Ilha do Pinheiro: um encontro de historia ambiental e história da ciência na Baía de Guanabara”, Scientiarum Historia. Revista de História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia, Livro de Anais do Congresso Scientiarum Historia IV, Palestras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, [on line], disponible en: http://www.hcte.ufrj.br/downloads/sh/sh4/Pre-textual_Livro_de_Anais_SH_IV.pdf, [consultado el 18/09/2022].

Souza, Marcelo Coelho (1999), “O analfabetismo no Brasil sob o enfoque demográfico”, Texto para discussão nº639. Brasília, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, p.24 [on line], disponible en: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/2644/1/td_0639.pdf, [consultado el 19/06/2022].

Souza, Geraldo Horácio de Paula; Vieira, Francisco Borges (1936), “Centro de Saúde «eixo» de organização sanitaria”, Boletim do Instituto de Hygiene de São Paulo (59), São Paulo, Imprensa Official do Estado.

Publicado

2023-12-11

Cómo citar

Azevedo, N., & Silveira Rossi, D. (2023). De normalistas a naturalistas: la especialización de las mujeres en salud pública en Brasil (1920-1960). Asclepio, 75(2), e23. https://doi.org/10.3989/asclepio.2023.23

Número

Sección

Dossier