Introducción. Salud e integración en Brasil: apropiarse de las políticas públicas para existir (final del siglo XIX-años 1960)

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.3989/asclepio.2023.22

Resumen


No disponible

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Abreu Junior, Laerthe de Moraes; Carvalho, Eliane Vianey de (2012), “O discurso médico-higienista no Brasil do início do século XX”, Trabalho, Educação e Saúde, novembre 2012, 10(3), pp. 427-451,

Aranha Bruschini, Maria Cristina (1978), “Mulher e Trabalho: engenheiras, enfermeiras e professoras”, Cadernos de Pesquisa, 27(1), pp. 5-16.

Brasil. Presidência da República (1920), Decreto no 14.343, de 07 de setembro de 1920. Institue a Universidade do Rio de Janeiro. Diário Oficial da União.

Brasil. Presidência da República (1925), Decreto no 16.782-A, de 13 de janeiro de 1925. Estabelece o concurso da União para a diffusão do ensino primario, organiza o Departamento Nacional do Ensino, reforma o ensino secundario e o superior e dá outras providencias. Diário Oficial da União.

Brasil. Presidência da República (1931), Decreto no 19.852, de 11 de abril de 1931. Dispõe sobre a organização da Universidade do Rio de Janeiro. Diário Oficial da União.

Bourdelais, Patrice (2001), Les hygiénistes: enjeux, modèles et pratiques, XVIIIe-XXe siècles, Paris, France, Belin.

Carol, Anne (1996), “Médecine et eugénisme en France, ou le rêve d’une prophylaxie parfaite (XIXe-première moitié du XXe siècle)”, Revue d’Histoire Moderne & Contemporaine, 43(4), pp. 618-631,

Faria, Lina (2007), Saúde e Política: a Fundação Rockefeller e seus parceiros em São Paulo, Rio de Janeiro, Editora Fiocruz.

Fassin, Didier (2005), “4-Biopouvoir ou biolégitimité ? Splendeurs et misères de la santé publique”. En: Granjon, Marie-Christine (ed.), Penser avec Michel Foucault, Paris, Karthala, 2005, pp.161-182.

Ferreira, Luiz Otávio (2020), “As guardiãs da saúde: representações e características socioculturais de enfermeiras domésticas do Rio de Janeiro, 1880-1910”, Revista Mundos do Trabalho (online), 12(1), pp. 1-17.

Ferreira, Luiz Otávio; Azevedo, Nara (2019), “Origem social e racial e a formação de enfermeiras profissionais no Brasil (1930-1960)”, Revista ABPN, 11(1), pp. 231-251.

Ferreira, Luiz Otávio; Salles, Renata (2019), “A origem social da enfermeira padrão: o recrutamento e a imagem pública da enfermeira no Brasil, 1920-1960”, Nuevo Mundo Mundos Nuevos, 19(1).

Fonseca, Cristina (2004), “A criação da Ensp: integração e diversidade na formação em saúde pública”. En: Lima, Nisia; Fonseca, Cristina; Santos, Paulo (ed.), Uma escola para a saúde, Rio de Janeiro, Fiocruz, pp. 39-78.

Fonseca, Cristina (2007), Saúde no governo Vargas (1930-1945): dualidade institucional de um bem público, Rio de Janeiro, Fiocruz.

Hochman, Gilberto; Fonseca, Cristina (1999), “O que há de novo? Políticas de saúde pública e previdência(1937-1945)”. En: Pandolfi, Dulce (ed.) Repensando o Estado Novo, Rio de Janeiro, Fundação Getulio Vargas, pp.73-94.

Hochman, Gilberto (2005), “Reformas, instituições e políticas de saúde no Brasil (1930-1945)”, Educar, 25(1), pp. 127-141.

Hutchinson, Bertran (1957), “Aspectos da educação universitária e status social em São Paulo”, Educação e Ciências Sociais-Boletim do Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais, 3(1), pp. 91-107.

Lima, Nísia; Fonseca, Cristina (2004), “História da especialização em saúde pública”. En: Lima, Nisia; Fonseca, Cristina; Santos, Paulo (ed.), Uma escola para a saúde, Rio de Janeiro, Fiocruz, pp.25-38.

Porter, Roy (1985), “The Patient’s View: Doing Medical History from below”, Theory and Society, 14(2), pp. 175-198, [en línea], disponible en: https://www.jstor.org/stable/657089

Santos, Luiz de Castro; Faria, Lina (2004), “A cooperação internacional e a enfermagem de saúde pública no Rio de Janeiro e São Paulo”, Horizontes, 22 (2), pp. 123-150.

Santos, Luiz de Castro; Faria, Lina (2006), “O ensino de saúde pública no Brasil: os primeiros tempos no Rio de Janeiro”, Trabalho, Educação e Saúde, 4(2), pp. 291-324.

Santos, Luiz de Castro; Faria, Lina (2008), “As ocupações supostamente subalternas: o exemplo da enfermagem brasileira”, Saúde e Sociedade, 17 (2), pp.35-44.

Seignan, Gérard (2010), “L’hygiène sociale au XIXe siècle : une physiologie morale”, Revue d’histoire du XIXe siècle. Société d’histoire de la révolution de 1848 et des révolutions du XIXe siècle, 40(1), pp. 113-130.

Simonnot, Anne-Laure (1999), Hygiénisme et eugénisme au XXe siècle à travers la psychiatrie française, Paris, France, S. Arslan.

Publicado

2023-12-11

Cómo citar

Mercier, V., & Martins, Y. (2023). Introducción. Salud e integración en Brasil: apropiarse de las políticas públicas para existir (final del siglo XIX-años 1960). Asclepio, 75(2), e22. https://doi.org/10.3989/asclepio.2023.22

Número

Sección

Dossier